A life committed to learning.

Ahh, a responsabilidade…

Na semana passada estive presente numa formação onde se tocaram em temas bastante interessantes. Um dos temas abordados e que me chamou a atenção foi o “Modelo de Responsabilidade“.

O “Modelo de Responsabilidade” tenta descrever como nós, humanos,  geralmente nos comportamos face aos problemas que encontramos diariamente. Acho que este modelo descreve algo que nasce conosco, as atitudes e sentimentos que foram cultivados durante milhões de anos de evolução.

Ora vamos lá ao modelo…

Quando encontramos um problema, começamos com a “Negação“:
Negação: O código compila no meu computador, não há problema nenhum.

Depois da negação, passamos para a fase de “Atirar com as culpas“:
Atirar com as culpas“: O problema é da especificação Java que deveria permitir fazer isso…

E continuamos para a fase seguinte, a “justificação“:
Justificação“: Ah, pensava que era possível fazer isto, uma vez vi isso no código do António…

A “Vergonha” é a fase que se segue, onde muitos vêm a oportunidade de desistir:
Vergonha“: Aii, sou mesmo mau programador, não nasci para isto…. (Boa oportunidade para “Desistir“: Vou mudar para manager 🙂 )

Depois destas fases, se não desistirmos, temos dois caminhos que podemos seguir: A “Obrigação” ou a “Responsabilização“:

Obrigação” : Ok, já percebi que tenho de corrigir o erro… Diz-me o que posso fazer para o corrigir.

Responsabilização“: Não vou ficar aqui à espera que alguém corrija este erro, vou ler a especificação Java para ver como posso resolver o problema e vou corrigir este erro ainda hoje.

Ficam alguns links com mais sobre o assunto;

http://www.selfishprogramming.com/2008/09/26/challenge-your-personal-agility/

http://www.christopheravery.com/responsibility-process

jpereira

http://jpereira.eu

View more posts from this author

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *