A life comited to learning

Tag: positivismo

Continue Reading

A história do homem dos cachorros quentes!

“O homem que vendia cachorros quentes à beira da estrada tinha problemas de audição por isso não ouvia rádio. Tinha problemas de visão e por isso não lia jornais nem via televisão. Mas o homem vendia bons cachorros quentes. Colocava sinais na estrada a indicar a sua barraca. Toda a gente gostava dos cachorros quentes do homem. Com o passar do tempo, ele comprou uma barraca maior, e começou a andar pela região a vender os seus cachorros quentes, que toda a gente adorava e comprava. Melhorou a receita dos seus cachorros quentes e ainda mais pessoas compravam os seus cachorros, porque toda a gente os adorava. Ao seu filho, que acabara a universidade há pouco tempo, o homem pediu para o ajudar no negócio, para vender mais cachorros, porque toda a gente gostava dos seus cachorros e ele não tinha mãos a medir. O seu filho, informado e educado virou-se para o pai e perguntou :”Você não lê os jornais? Não vê televisão? Não ouve rádio? Não sabe que estamos à beira de uma depressão económica, que as pessoas estão a perder os seus empregos, há falta de dinheiro em todo lado? Não sabe que estamos a viver uma recessão?”. O homem acreditou no filho. Afinal, o filho tinha estudado na universidade e estava informado porque via televisão, lia jornais e ouvia rádio. O homem deu ouvidos ao filho e começou por vender a barraca que tinha comprado recentemente. Retirou os sinais da estrada a indicar a barraca de cachorros. Desistiu da nova receita de cachorros, pois tinha ingredientes especiais e mais caros. De um momento para o outro, o negócio dos cachorros entrou em declínio. O homem deixou de vender tantos cachorros, começou a ter falta de dinheiro e teve de encerrar o negócio. O homem, virou-se para o seu filho e disso “Filho, tinhas razão. Estamos mesmo numa depressão. Agora vamos esperar que passe e pode ser que se volte a abrir a barraca dos cachorros quentes um dia.””

Moral da história? O pensamento negativo é contagiante e leva as pessoas a tomar as piores decisões nos momentos mais críticos.

 

Continue Reading